Centro de Divulgação das Eleições recebeu 712 profissionais da imprensa

O trabalho da imprensa profissional durante as eleições foi fundamental para garantir a transparência das informações oficiais divulgadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a respeito das eleições brasileiras.

Para amparar a cobertura da imprensa nacional e internacional, o TSE instalou o Centro de Divulgação das Eleições (CDE) 2022, que recebeu 712 profissionais do Brasil e do mundo, totalizando 168 veículos de comunicação. O CDE foi inaugurado no dia 6 de setembro, um mês antes do primeiro turno (2 de outubro) e funcionou até depois do segundo turno (30 de outubro).

Participaram da cobertura veículos da mídia impressa e digital (jornais, revistas e sites), emissoras de rádio e emissoras de televisão. Ao todo, foram 624 profissionais brasileiros de 136 veículos de imprensa cadastrados. Pela imprensa estrangeira, 88 profissionais de 32 veículos fizeram a cobertura nesses dois meses de campanha eleitoral.   

A equipe de comunicação do TSE produziu documentos e dados para auxiliar os jornalistas de vários países, como África, China, França, Estados Unidos e Reino Unido.

Com quase 2 mil metros quadrados, o CDE contou com uma estrutura que comportava de 350 a 400 pessoas ao mesmo tempo, sete bancadas com 60 estações de trabalho e 21 computadores fornecidos pela Justiça Eleitoral.

O local contou, ainda, com um auditório com mesa e cadeiras para entrevistas coletivas de autoridades no dia do pleito e espaço com painel para entrevistas (backdrop).

Para facilitar a divulgação dos dados, foram instalados cinco telões para exibir informações sobre campanhas e serviços da Justiça Eleitoral, bem como os resultados das eleições. Um deles – o Telão das Eleições – tinha 171 metros quadrados e transmitiu a apuração dos votos pelo país em tempo real.

O CDE 2022 disponibilizou, ainda, para as emissoras de televisão espaços para que os caminhões de link pudessem ficar no térreo da sede do Tribunal, para a transmissão das informações às suas emissoras.

Depoimentos

A jornalista chinesa da Agência de Notícias Xinhua, Zhao Yan, contou que essa foi a quarta eleição que ela cobriu no Brasil e aprovou a estrutura montada para imprensa. “A estrutura oferecida no Centro foi ótima! Tinha um ambiente bom para o trabalho e pude conseguir todas as informações que precisava”, relatou, ao comentar que cobriu a votação pela manhã no Rio de Janeiro e depois veio para Brasília. “Quando cheguei fui primeiro ao Centro de Divulgação das Eleições para obter todas as informações necessárias e acompanhei depois a coletiva do presidente do TSE, Alexandre de Moraes”, disse.

Já a jornalista Valéria Pacheco, da Agence France-Presse, afirmou que essa foi a primeira vez que cobriu as eleições e que, apesar de ter ficado pouco tempo no CDE, achou boa a estrutura e ajudou no seu trabalho. “Acho que o TSE fez um bom papel, porque sempre ajudou a imprensa com informações e também esclareceu dúvidas sobre as fases do pleito eleitoral”, analisou.

Romoaldo Souza, jornalista que cobre as eleições no TSE desde 1994, ressaltou que a cada ano a estrutura e as condições que o Tribunal oferece para a imprensa vão se aperfeiçoando.

“Este ano eu estava cadastrado pelo Sistema Jornal do Commercio de Comunicação em Pernambuco. Tanto esse ano como nos anos anteriores, eu pude perceber que uma das preocupações do TSE é justamente com as condições para que a imprensa possa livremente trabalhar, e isso é importante”, destacou.

Ele parabenizou o Tribunal pela estrutura que colocou à disposição dos jornalistas. “Não apenas pelos dados que todos têm acesso, mas a forma como os dados chegaram e a agilidade com que foram disponibilizados. Se houvesse alguma dúvida ou problema, tinha sempre um ou vários profissionais para saná-las”, concluiu.

PG/CM, DM

Com informações do Tribunal Superior Eleitoral

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Leia também!