Em comemoração dos 35 anos de instalação do Superior Tribunal de Justiça (STJ), o Arte no Tribunal lançou sua 27ª edição. Produzido pela Assessoria de Cerimonial e Eventos, o periódico divulga as obras e os artistas que compõem o acervo do STJ. Nesta edição, o destaque é uma das obras mais emblemáticas da corte, trata-se  da Fachada de Marianne Peretti, localizada no primeiro andar do Edifício dos Plenários.

A famosa fachada, que se tornou um dos símbolos do Tribunal da Cidadania, foi construída com concreto e vidro e possui aproximadamente 740 m² de área, uma das maiores já construídas no Brasil na época da edificação, em 1989.

Sobre a artista

Marianne Peretti (1927-2022), artista plástica francesa radicada em Pernambuco, foi a única mulher a integrar a equipe do arquiteto Oscar Niemeyer para a construção de prédios públicos que formam a Capital Federal. Reconhecida especialmente por seu trabalho com vitrais, Marianne Peretti deixou sua marca em importantes monumentos da cidade, como os vitrais da Catedral de Brasília e do Panteão da Pátria.

A artista também foi autora de outra importante obra no STJ, localizada no Tribunal Pleno, o vitral A Mão de Deus.

Uso democrático do espaço da cidadania

O Espaço Cultural STJ, criado em 2001, já abrigou mais de 170 exposições temporárias. Ao longo de sua trajetória, tornou-se referência como ambiente inovador e amplamente visitado pelos servidores da corte e pelo público apreciador das artes visuais.

O acervo de obras de arte do tribunal conta com centenas de peças de renomados artistas das mais diversas regiões do Brasil e do exterior. A coleção é o resultado de doações dos artistas, em contrapartida ao uso da galeria, cujas exposições se realizam mediante processo seletivo regido por edital público. As obras doadas estão distribuídas nos ambientes de trabalho das diversas unidades do STJ, onde podem ser apreciadas por servidores e visitantes.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.