Empregado de Campinas que perdeu a audição no trabalho terá processo julgado novamente na 1ª instância


A Primeira Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas/SP) concedeu o benefício da justiça gratuita a um profissional condenado a pagar R$ 25.680 de custas processuais numa ação trabalhista ajuizada em fevereiro de 2017 e julgada improcedente em agosto de 2018.

Em seu recurso, o empregado, que perdeu parte da audição no trabalho por falta de equipamento de proteção individual (EPI) eficaz, insistiu em receber indenização por danos morais e materiais, adicional de insalubridade, além do próprio benefício da justiça gratuita. A decisão colegiada também afastou a prescrição total decretada pelo juízo da 2ª Vara do Trabalho de Jacareí, e determinou o retorno do processo à primeira instância para julgamento do mérito da ação.

A ação foi ajuizada em 15 de fevereiro de 2017, e a sentença, que julgou improcedente o pedido, o condenou ao pagamento das custas processuais. Para o relator do acórdão, desembargador Ricardo Antonio de Plato, o art.790 da CLT, com as alterações da Lei 13467/2017, \”aplica-se somente aos processos ajuizados após 11/11/2017\”, e isso por uma razão simples: \”a interpretação deste dispositivo legal deve ser efetuada consoante o art. 5º, inciso LXXIV da CF/88.

Afinal, se a parte já ajuizou reclamatória sob a disciplina anterior, na qual bastava a mera declaração de pobreza ou o recebimento de salário inferior a dois salários mínimos para fazer jus à justiça gratuita, não pode agora ser \’apanhada\’ de surpresa pelas novas normas a respeito do tema\”, afirmou o relator. O colegiado deferiu, assim, os benefícios da justiça gratuita ao trabalhador, uma vez que ele preencheu todos os requisitos legais.

Surdez

Segundo constou dos autos, o profissional é portador de CID-10 H83.3-Perda Auditiva Induzida por Ruído Ocupacional após ter trabalhado 23 anos na empresa com dose de ruído acima do limite de tolerância, ainda que com uso de EPIs. A perícia constatou que \”a patologia está relacionada ao trabalho\”, e que o dano, de 30% em caráter multiprofissional, foi diagnosticado em 24/5/1993, mas a sequela só foi consolidada em 7/6/2016, e aponta \”disacusia neurossensorial bilateral, simétrica na frequência de 4kHz, com recrutamento e rebaixamento bilateral em 70dB, compatível com perda auditiva induzida por ruído fabril\”.

O laudo pericial ressaltou também que \”inexiste documento que comprove perda auditiva antes da audiometria de referência\”, e que o trabalhador, \”no período entre 1991 a 1993 esteve exposto a dose de ruído de 94dB(A) de modo habitual e permanente sem uso regular e adequado de EPIs\”. A perda auditiva estabilizou a partir de 23/4/2008 com 20 anos e 7 meses na empresa de exposição ao ruído fabril.

Prescrição

O autor não concordou com o reconhecimento da prescrição. Segundo afirmou, \”a ciência inequívoca da lesão ocorreu, não a partir dos exames audiométricos em 2008, mas sim com o laudo pericial elaborado pelo expert de confiança do juízo\”. O colegiado concordou, reconhecendo que nos casos em que a ciência inequívoca de a incapacidade ou de o acidente ocorrer posteriormente à vigência da Emenda Constitucional 45/2004, ou seja, após 31/12/2004, a prescrição será de cinco anos, e teor do art.7º, XXIX da CF/88, e como o ajuizamento da ação foi feito em data de 15/2/2017, \”não há prescrição a ser decretada\”, concluiu. Nesse sentido, e até por causa de conclusões aparentemente divergentes nos laudos periciais a respeito do ruído no ambiente de trabalho, o acórdão determinou o retorno dos autos à primeira instância para julgamento do mérito da ação, \”facultando-se inclusive, a critério do juízo, outros esclarecimentos dos peritos do juízo, se entender necessário\”.

Fonte: TRT da 15ª Região (Campinas/SP)



Fonte: CSJT

O Supremo Tribunal Federal (STF) considerou a Taxa Referencial (TR), responsável pela correção monetária de precatórios e do FGTS entre os anos de 1999 e 2013, como inconstitucional.

Todos os Servidores Públicos (Federal, Estadual e Municipal) têm direito ao saque integral do PASEP. Para obter o saldo do PASEP é preciso ingressar com Ação de Cobrança.

O segurado que possui inscrição no INSS em data anterior a 29/11/1999, tendo contribuições antes deste período, somado ao fato de que requereu o benefício após 29/11/1999, tem direito à revisão da vida toda.

O STF declarou constitucional a cobrança adicional de 10% sobre a multa do FGTS nos casos de demissão sem justa causa e negou pedido de uma empresa para restituição de valores pagos ao governo.

Diversos tribunais Brasileiros reconhecem a ilegalidade da cobrança do ICMS na conta de Energia elétrica, milhões de pessoas em todo o país tem direito a restituição, veja como buscas a restituição para seus clientes.

O STF decidiu que o ICMS não compõe a base de cálculo para a incidência do PIS e da Cofins. Entretanto, a Receita Federal continua exigindo das empresas o recolhimento do ICMS, sendo necessário entrar a Justiça para reaver valores pagos e impedir cobranças futuras.

  • 12
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    12
    Shares

Jusdecisum

Data Venia Dr's e Dra's !O Jusdecisum é um site de informativo jurídico que tem como objetivo reunir as decisões jurídicas dos principais tribunais do país em um só lugar, facilitando assim a informação e o estudo de profissionais e estudantes da área jurídica.Abaixo, estão nossas redes sociais e contatos, nos siga, mantenha-se atualizado sobre as decisões jurídicas dos principais tribunais, venha fazer parte desta grande comunidade jurídica que estamos criando !Sejam sempre muito bem vindos !

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

      Deixe uma Comentário

      Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

      janela v3.3
      Jusdecisum Informativo Jurídico
      Logo