Empresa do Espírito Santo é obrigada a manter descontos sindicais em folha de pagamento


A Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região (ES) decidiu manter a sentença que obrigou uma empresa produtora de aço e minério de ferro a continuar com os descontos das mensalidades sindicais e contribuições  assistenciais em folha de pagamento.

Na ação civil coletiva, o Sindimetal/ES alegou que os descontos foram autorizados pelos substituídos no ato de filiação ao sindicato (mensalidade sindical) e por norma coletiva (contribuição assistencial). Com a edição da Medida Provisória nº 873/2019, muitos empregadores suspenderam os descontos em folha de pagamento de tais parcelas. Segundo o sindicato, houve interpretação equivocada da norma.

A MP 873/2019, que impôs a necessidade de autorização prévia, voluntária, individual e expressa do empregado, tornando nula qualquer negociação coletiva nesse sentido, teve sua vigência limitada ao período entre 1/3/19 e 28/6/19, já que, nesse prazo, não foi editado decreto legislativo.

Na sentença, o juízo da 4ª Vara do Trabalho de Vitória reconheceu que, conforme verificado pela cláusula 47ª da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), o sindicato representou toda a categoria nas negociações coletivas, na forma prevista pelos incisos III e IV do art. 8º da Constituição da República, e que a relação jurídica entre as partes foi firmada antes da edição da MP 873/2019.

A empresa recorreu da decisão, mas a sentença foi mantida pelo TRTR 17. O relator do acórdão, desembargador José Carlos Rizk, ressalta que não são aplicáveis, nesse caso, as regras inseridas pela MP, “sob pena de afronta ao direito adquirido e ao ato jurídico perfeito (inciso XXXVI, art. 5º da Constituição da República), e determinou que a empresa cumpra as cláusulas normativas fixadas na CCT 2018/2019.

Na sessão de julgamento realizada em 20/8, os desembargadores da Primeira Turma acompanharam o voto do relator, negando, por unanimidade, provimento ao apelo da reclamada.

Fonte: TRT da 17ª Região (ES)



Fonte: CSJT

O Supremo Tribunal Federal (STF) considerou a Taxa Referencial (TR), responsável pela correção monetária de precatórios e do FGTS entre os anos de 1999 e 2013, como inconstitucional.

Todos os Servidores Públicos (Federal, Estadual e Municipal) têm direito ao saque integral do PASEP. Para obter o saldo do PASEP é preciso ingressar com Ação de Cobrança.

O segurado que possui inscrição no INSS em data anterior a 29/11/1999, tendo contribuições antes deste período, somado ao fato de que requereu o benefício após 29/11/1999, tem direito à revisão da vida toda.

O STF declarou constitucional a cobrança adicional de 10% sobre a multa do FGTS nos casos de demissão sem justa causa e negou pedido de uma empresa para restituição de valores pagos ao governo.

Diversos tribunais Brasileiros reconhecem a ilegalidade da cobrança do ICMS na conta de Energia elétrica, milhões de pessoas em todo o país tem direito a restituição, veja como buscas a restituição para seus clientes.

O STF decidiu que o ICMS não compõe a base de cálculo para a incidência do PIS e da Cofins. Entretanto, a Receita Federal continua exigindo das empresas o recolhimento do ICMS, sendo necessário entrar a Justiça para reaver valores pagos e impedir cobranças futuras.

  • 3
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    3
    Shares

Jusdecisum

Data Venia Dr's e Dra's !O Jusdecisum é um site de informativo jurídico que tem como objetivo reunir as decisões jurídicas dos principais tribunais do país em um só lugar, facilitando assim a informação e o estudo de profissionais e estudantes da área jurídica.Abaixo, estão nossas redes sociais e contatos, nos siga, mantenha-se atualizado sobre as decisões jurídicas dos principais tribunais, venha fazer parte desta grande comunidade jurídica que estamos criando !Sejam sempre muito bem vindos !

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

      Deixe uma Comentário

      Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

      janela v3.3
      Jusdecisum Informativo Jurídico
      Logo