TCU quer fiscalizar as contas da OAB

\"\"
As finanças da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) voltarão a ser alvo de debate no Tribunal de Contas da União (TCU). A corte quer que os valores arrecadados com a contribuição anual da entidade passem por auditoria. Técnicos elaboram um estudo para ancorar a mudança. A ideia é submeter a OAB às mesmas normas aplicadas a órgãos federais, estatais e outros conselhos de profissionais. A entidade não concorda com a medida. Há 15 anos, o TCU votou o assunto e decidiu pela isenção. A entidade arrecada R$ 1 bilhão anualmente.
A proposta dos auditores do tribunal é que a OAB seja colocada imediatamente como entidade prestadora de contas. Contudo, o ministro Bruno Dantas, relator do caso, pediu estudo técnico para debater o assunto. Desde 1952, a OAB não é obrigada a divulgar as cifras. À época, os ministros do extinto Tribunal Federal de Recursos entenderam que a OAB não se submete ao regime de autarquias públicas. Em novembro de 2003, por quatro votos a três, o TCU reafirmou essa isenção. O Ministério Público Federal, autor da representação, alegou que a OAB é o único conselho federal que não presta contas ao tribunal.

Continua depois da publicidade

O argumento dos auditores é que não há justificativa para a OAB arrecadar compulsoriamente anuidade de seus membros e não ser auditada. \”A Constituição estabelece que todo recurso que tiver natureza tributária deve ser fiscalizado. Existe um entendimento entre os tributaristas que mesmo entidade privada arrecada ela deve ser fiscalizada. A cobrança da OAB é uma taxa para que o advogado exerça a profissão. É o mesmo que acontece com os conselhos de Medicina, Engenharia Odontologia, Arquitetura e eles são fiscalizados\”, disse uma fonte ao Correio.
A mudança é discutida na Secretaria de Métodos e Suporte ao Controle Externo do TCU. O acórdão determina que a alteração ocorra após a \”realização de estudo técnico, a ser concluído em tempo hábil o suficiente para subsidiar a elaboração dos normativos referentes à prestação de contas do exercício de 2018.\”
Em nota, a OAB defendeu que não pode \”perder sua autonomia e independência ficando atrelada ao poder público, do qual ela não faz parte\”. \”A Ordem dos Advogados do Brasil não recebe recursos públicos e não é órgão público, não tendo a constituição jurídica dos entes que prestam contas ao TCU. As contas da OAB são fiscalizadas e auditadas, como em qualquer instituição privada, pelos seus órgãos internos de controle e pelos próprios advogados\”, justifica o texto.
Klaus Stenius, presidente do Sindicato dos Advogados do DF, não concorda com a prestação de contas. Ele explica que não houve alterações na Constituição, no estatuto da OAB e no TCU que justifique a mudança no entendimento. \”Começar a prestação de contas e depois exigir que a OAB faça licitação para tudo é um pulo. A OAB não pode estar debaixo de um conjunto político, deve ser independente\”, argumenta.
O constitucionalista Marcellus Ferreira Pinto analisou a legislação que envolve o caso e concluiu que não há previsão Constitucional para a auditoria das contas. \”A OAB não funciona como um conselho de regulação de classe, o regime é outro\”, explica. \”Não é competência do TCU fiscalizar a OAB. O tribunal tem que fiscalizar entidades que empreguem algum tipo de dinheiro público, o que não é o caso\”, conclui.
As seccionais da OAB em cada estado definem as taxas de contribuição dos advogados. Em média, os valores da anuidade, por exemplo, variam entre R$ 850 e R$ 1 mil. A contribuição é cobrada de advogados, estagiários e sociedades de advogados, e serve para fornecer fundos às estruturas de assistência, serviços, representação e fiscalização dos advogados. Quem  deixa de pagar as contribuições comete infração disciplinar e tem o exercício profissional suspenso por até um ano.

O Supremo Tribunal Federal (STF) considerou a Taxa Referencial (TR), responsável pela correção monetária de precatórios e do FGTS entre os anos de 1999 e 2013, como inconstitucional.

Todos os Servidores Públicos (Federal, Estadual e Municipal) têm direito ao saque integral do PASEP. Para obter o saldo do PASEP é preciso ingressar com Ação de Cobrança.

O segurado que possui inscrição no INSS em data anterior a 29/11/1999, tendo contribuições antes deste período, somado ao fato de que requereu o benefício após 29/11/1999, tem direito à revisão da vida toda.

O STF declarou constitucional a cobrança adicional de 10% sobre a multa do FGTS nos casos de demissão sem justa causa e negou pedido de uma empresa para restituição de valores pagos ao governo.

Diversos tribunais Brasileiros reconhecem a ilegalidade da cobrança do ICMS na conta de Energia elétrica, milhões de pessoas em todo o país tem direito a restituição, veja como buscas a restituição para seus clientes.

O STF decidiu que o ICMS não compõe a base de cálculo para a incidência do PIS e da Cofins. Entretanto, a Receita Federal continua exigindo das empresas o recolhimento do ICMS, sendo necessário entrar a Justiça para reaver valores pagos e impedir cobranças futuras.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Jusdecisum

Data Venia Dr's e Dra's !O Jusdecisum é um site de informativo jurídico que tem como objetivo reunir as decisões jurídicas dos principais tribunais do país em um só lugar, facilitando assim a informação e o estudo de profissionais e estudantes da área jurídica.Abaixo, estão nossas redes sociais e contatos, nos siga, mantenha-se atualizado sobre as decisões jurídicas dos principais tribunais, venha fazer parte desta grande comunidade jurídica que estamos criando !Sejam sempre muito bem vindos !

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

      Deixe uma Comentário

      Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

      janela v3.3
      Jusdecisum Informativo Jurídico
      Logo