TSE – Ministro Jorge Mussi suspende inelegibilidade do ex-prefeito do Rio Eduardo Paes

Decisão liminar afastou também inelegibilidade do ex-secretário executivo de governo Pedro Paulo até julgamento do mérito de recurso pelo TSE

\"\"

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Jorge Mussi concedeu liminar para suspender decisão que declarou inelegíveis por oito anos o ex-prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes e Pedro Paulo Carvalho Teixeira, ex-secretário executivo de governo e candidato a prefeito da capital fluminense nas eleições de 2016. A liminar tem validade até o julgamento do mérito da controvérsia pelo TSE.

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) condenou ambos por prática de abuso de poder econômico e político e conduta vedada a agentes públicos. A Corte fluminense entendeu que, nas eleições de 2016, Pedro Paulo anexou ao seu pedido de registro de candidatura a prefeito do Rio um plano de governo baseado nos pilares do planejamento estratégico \”Visão Rio 500\”. Esse planejamento havia sido lançado na gestão municipal de Eduardo Paes.

Na decisão, o TRE também impôs multa de R$ 100 mil ao ex-prefeito, a Pedro Paulo e à Coligação Juntos pelo Rio. Em sua decisão, o ministro Mussi também afastou a multa aos três até o julgamento do mérito do recurso em trâmite no TSE.

Mussi afirmou ainda em sua decisão que a imposição de inelegibilidade por oito anos a Paes e Pedro Paulo  “afigura-se descabida à primeira vista”. Segundo o magistrado, o planejamento estratégico \”Visão Rio 500\” era público e acessível a qualquer cidadão pela internet, inclusive por outros pré-candidatos, “que também poderiam incorporá-lo às suas propostas de governo ou mesmo tecer críticas a seu respeito”.

O ministro ressaltou que embora o planejamento estratégico tenha, em princípio, desobedecido a algumas das diretrizes previstas no artigo 107-A da Lei Orgânica Municipal, essa circunstância, desacompanhada de quaisquer outras provas, “é em tese incapaz por si só de irradiar efeitos na esfera eleitoral e deve ser apurada na seara própria quanto à prática de ilícitos de cunho meramente administrativo”.

O relator salientou que o fato de o estudo sobre o planejamento estratégico ter sido feito apenas em meados da segunda gestão de Paes não é, por si só, relevante, já que a apresentação de planos estratégicos para mandatos futuros é prática comum no município.

Mussi observou que, numa análise preliminar, não é possível vislumbrar qual teria sido o proveito eleitoral obtido por Pedro Paulo por meio da anexação, a seu pedido de registro de candidatura, de plano de governo baseado em planejamento estratégico anterior acessível a qualquer pessoa.

Finalmente, o magistrado destacou a necessidade da concessão da liminar, uma vez  que um dos acusados, Eduardo Paes, pretende se candidatar a cargo eletivo nas eleições deste ano.

Coligação Mudar é Possível, o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) e outros foram os autores da ação original contra Paes e Pedro Paulo na Justiça Eleitoral fluminense. Os autores da ação alegaram que, em 2015, a Prefeitura do Rio de Janeiro contratou consultoria para elaborar o planejamento estratégico \”Visão Rio 500\” ao custo de R$ 7 milhões. O planejamento foi lançado no mesmo ano por Paes, então prefeito, e sob a coordenação de Pedro Paulo, que exercia o cargo de secretário executivo de governo.

No julgamento do recurso da coligação, o TRE considerou o uso do plano \”Visão Rio 500\” na campanha de Pedro Paulo um fato grave, e identificou estreita relação entre o contrato da Prefeitura do Rio para a sua elaboração, com a concordância de Paes, e seu uso na campanha eleitoral do candidato.

EM/LR

[su_button url=\”http://http//inter03.tse.jus.br/sadpPush/ExibirDadosProcesso.do?nprot=27642018&comboTribunal=tse\” target=\”blank\” style=\”flat\” background=\”#000207\” size=\”8\” wide=\”yes\” center=\”yes\” icon=\”icon: gavel\” icon_color=\”#ffffff\” desc=\”Clique aqui para visualizar o processo \”] Processo relacionado: AI 170594[/su_button]

Jusdecisum

Jusdecisum

Data Venia Dr's e Dra's ! O Jusdecisum é um site de informativo jurídico que tem como objetivo reunir as decisões jurídicas dos principais tribunais do país em um só lugar, facilitando assim a informação e o estudo de profissionais e estudantes da área jurídica. Abaixo, estão nossas redes sociais e contatos, nos siga, mantenha-se atualizado sobre as decisões jurídicas dos principais tribunais, venha fazer parte desta grande comunidade jurídica que estamos criando ! Sejam sempre muito bem vindos !

Conheça as teses que estão em alta no momento e veja como trabalhar com elas

Tese da Nova Correção do FGTS

Supremo Tribunal Federal (STF) considerou a Taxa Referencial (TR), responsável pela correção monetária de precatórios e do FGTS entre os anos de 1999 e 2013, como inconstitucional.

Tese da Cobrança de Saldo do PASEP dos Servidores Públicos

Todos os Servidores Públicos (Federal, Estadual e Municipal) têm direito ao saque integral do PASEP. Para obter o saldo do PASEP é preciso ingressar com Ação de Cobrança.

Tese da Revisão da Vida Toda PBC

O segurado que possui inscrição no INSS em data anterior a 29/11/1999, tendo contribuições antes deste período, somado ao fato de que requereu o benefício após 29/11/1999, tem direito à revisão da vida toda.

Tese da Restituição da Multa de 10% do FGTS

O STF declarou constitucional a cobrança adicional de 10% sobre a multa do FGTS nos casos de demissão sem justa causa e negou pedido de uma empresa para restituição de valores pagos ao governo.

Tese da Restituição do ICMS Cobrado Indevidamente na Conta de Luz

Diversos tribunais Brasileiros reconhecem a ilegalidade da cobrança do ICMS na conta de Energia elétrica, milhões de pessoas em todo o país tem direito a restituição, veja como buscas a restituição para seus clientes.

Tese da Exclusão do ICMS da Base de Cálculo do PIS/COFINS

O STF decidiu que o ICMS não compõe a base de cálculo para a incidência do PIS e da Cofins. Entretanto, a Receita Federal continua exigindo das empresas o recolhimento do ICMS, sendo necessário entrar a Justiça para reaver valores pagos e impedir cobranças futuras.

Tese da Exclusão do ISSQN da Base de Cálculo do PIS/COFINS

A tese refere-se à base de cálculo do PIS/COFINS, que não deve ter em sua base de cálculo valores arrecadados a título de ISS, pois estes não se incorporam ao patrimônio do contribuinte.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

janela