Turma do TRT-13 condena plataforma de transporte para passageiros a indenizar trabalhador – Turma do TRT-13 condena plataforma de transporte para passageiros a indenizar trabalhador – CSJT2

O relator, desembargador Wolney de Macedo Cordeiro proveu parcialmente a solicitação, já que não concedeu o pagamento de indenização por dano moral pedido pelo trabalhador.

11/04/2022 – A Segunda Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região (PB) reconheceu o vínculo empregatício entre um motorista de aplicativo e uma plataforma de transporte de passageiros. O colegiado condenou o réu ao pagamento de verbas rescisórias ao trabalhador. O Recurso Ordinário – Rito Sumaríssimo, que teve relatoria do desembargador Wolney de Macedo Cordeiro, foi provido parcialmente, já que não concedeu o pagamento de indenização por dano moral pedido pelo trabalhador. No juízo do Primeiro Grau, a relação de emprego não havia sido reconhecida.

Os autos do processo revelam que o autor foi admitido pela plataforma em julho de 2018 e teve o cadastro bloqueado em abril de 2021, não tendo nenhum direito trabalhista reconhecido pelo aplicativo. Além disso, o motorista alegou que a jornada de trabalho era intermitente, permitindo o trabalho para outras empresas do ramo. Por sua vez, a plataforma sustentou que não havia vínculo empregatício, indicando que se trata de empresa de economia de compartilhamento e que atua como agrupador de interesses entre os clientes cadastrados e motoristas independentes.

Para o relator do recurso, não é tarefa simples investigar a natureza jurídica da relação firmada entre as partes. Deste modo, segundo avaliou, é mais relevante verificar a existência ou não da autonomia dos motoristas de aplicativo do que avaliar o enquadramento nos elementos conceituais tradicionais que caracterizam a relação de emprego, como pessoalidade, habitualidade, onerosidade e subordinação.

“Assim sendo, a discussão acerca da formação do vínculo laboral deixa de ser analítica e passa a ser binária, residindo na análise da autonomia ou da dependência desses trabalhadores. É impossível afastarmos a premissa de que os motoristas de aplicativo são trabalhadores e não empreendedores, tal como alardeado por alguns segmentos econômicos e jurídicos. Ora, sendo o motorista de aplicativo inserido dentro de um processo produtivo em relação ao qual não dispõe de autonomia de precificar os seus ganhos ou mesmo de alterar as regras de prestação dos serviços, inviável falarmos em autonomia”, analisou.

Segundo o desembargador Wolney de Macedo Cordeiro, o modo de prestação dos serviços não apresenta um menor grau de autonomia, não restando aos motoristas integrantes das plataformas de transporte nenhuma escolha, mas apenas participar ou não das corridas demandadas pelos consumidores. “A subordinação laboral, nos limites das plataformas de transporte, não surge pela ação humana, mediante a formulação de ordens diretas, mas sim por intermédio de sistemas digitais, coordenados por intermédio de instruções algorítmicas. As ordens deixam de ser diretas e emanadas do empregador e passam a ser expedidas de maneira difusa, por intermédio das estruturas de aferição, controle e operacionalização executadas sem a interação humana”, avaliou.

Processo nº 0000499-95.2021.5.13.0022 (RORSum)

Fonte: Assessoria de Comunicação Social TRT-13

Jusdecisum

Jusdecisum

Data Venia Dr's e Dra's ! O Jusdecisum é um site de informativo jurídico que tem como objetivo reunir as decisões jurídicas dos principais tribunais do país em um só lugar, facilitando assim a informação e o estudo de profissionais e estudantes da área jurídica. Abaixo, estão nossas redes sociais e contatos, nos siga, mantenha-se atualizado sobre as decisões jurídicas dos principais tribunais, venha fazer parte desta grande comunidade jurídica que estamos criando ! Sejam sempre muito bem vindos !

Conheça as teses que estão em alta no momento e veja como trabalhar com elas

Tese da Nova Correção do FGTS

Supremo Tribunal Federal (STF) considerou a Taxa Referencial (TR), responsável pela correção monetária de precatórios e do FGTS entre os anos de 1999 e 2013, como inconstitucional.

Tese da Cobrança de Saldo do PASEP dos Servidores Públicos

Todos os Servidores Públicos (Federal, Estadual e Municipal) têm direito ao saque integral do PASEP. Para obter o saldo do PASEP é preciso ingressar com Ação de Cobrança.

Tese da Revisão da Vida Toda PBC

O segurado que possui inscrição no INSS em data anterior a 29/11/1999, tendo contribuições antes deste período, somado ao fato de que requereu o benefício após 29/11/1999, tem direito à revisão da vida toda.

Tese da Restituição da Multa de 10% do FGTS

O STF declarou constitucional a cobrança adicional de 10% sobre a multa do FGTS nos casos de demissão sem justa causa e negou pedido de uma empresa para restituição de valores pagos ao governo.

Tese da Restituição do ICMS Cobrado Indevidamente na Conta de Luz

Diversos tribunais Brasileiros reconhecem a ilegalidade da cobrança do ICMS na conta de Energia elétrica, milhões de pessoas em todo o país tem direito a restituição, veja como buscas a restituição para seus clientes.

Tese da Exclusão do ICMS da Base de Cálculo do PIS/COFINS

O STF decidiu que o ICMS não compõe a base de cálculo para a incidência do PIS e da Cofins. Entretanto, a Receita Federal continua exigindo das empresas o recolhimento do ICMS, sendo necessário entrar a Justiça para reaver valores pagos e impedir cobranças futuras.

Tese da Exclusão do ISSQN da Base de Cálculo do PIS/COFINS

A tese refere-se à base de cálculo do PIS/COFINS, que não deve ter em sua base de cálculo valores arrecadados a título de ISS, pois estes não se incorporam ao patrimônio do contribuinte.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

janela