STJ indica quatro candidatos para vagas de ministro; lista será enviada para escolha do presidente da República


STJ indica quatro candidatos para vagas de ministro; lista será enviada para escolha do presidente da República




11/05/2022 11:50
 
11/05/2022 11:05


Em sessão realizada nesta quarta-feira (11), o Pleno do Superior Tribunal de Justiça (STJ) indicou os desembargadores federais Messod Azulay Neto, Ney Bello Filho, Paulo Sérgio Domingues e Fernando Quadros da Silva – nessa ordem de votação – para compor a lista quádrupla que será enviada ao presidente da República para indicação de dois novos ministros da corte.

Participaram da escolha, por voto secreto, 30 ministros do STJ – além das duas vagas em aberto, o ministro Felix Fischer está em licença médica. O resultado da votação foi o seguinte: em primeiro escrutínio, foram escolhidos os desembargadores Messod Azulay, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), com 19 votos, e Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), com 17 votos.

No segundo escrutínio, foi escolhido o desembargador Paulo Sérgio Domingues, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), com 19 votos. No terceiro escrutínio, foi indicado o desembargador Fernando Quadros, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), com 21 votos.

As vagas no STJ estão abertas em virtude da aposentadoria dos ministros Napoleão Nunes Maia Filho e Nefi Cordeiro, ambos oriundos da magistratura federal.

Os dois nomes escolhidos pelo presidente da República, dentre os quatro desembargadores da lista, serão encaminhados ao Senado Federal, que submeterá os candidatos a uma sabatina na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania. Após a aprovação na comissão e no plenário da casa legislativa, os indicados serão nomeados pelo chefe do Executivo e tomarão posse em sessão solene do STJ.

Quem são os magistrados eleitos pelo Pleno para compor a lista

Desembargador Messod Azulay Neto

Messod Azulay Neto é o atual presidente do TRF2. Formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, foi advogado concursado da Telecomunicações do Rio de Janeiro (Telerj) antes de chegar ao TRF2, em 2005.

No tribunal, atuou por 14 anos na Primeira Seção, especializada em direito penal e previdenciário. Também ocupou diversas funções na Justiça Federal, como diretor-geral do Centro Cultural da Justiça Federal do Rio de Janeiro e coordenador dos juizados especiais federais.

Messod Azulay Neto foi professor universitário e é membro titular do Instituto Ibero-Americano de Direito Público. Tem diversos livros publicados na área jurídica, bem como trabalhos em revistas e boletins especializados.

Desembargador Ney Bello

Ney Bello nasceu em São Luís. É graduado em direito pela Universidade Federal do Maranhão, mestre em direito pela Universidade Federal de Pernambuco e doutor em direito ambiental pela Universidade Federal de Santa Catarina, além de pós-doutor em direito constitucional pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Juiz federal de carreira, Ney Bello tomou posse como desembargador do TRF1 em 2013, no lugar da então desembargadora Assusete Magalhães, que assumia o cargo de ministra do STJ. Antes da magistratura, ele também atuou como promotor de Justiça e procurador da República.

Ney Bello é professor na Universidade de Brasília, no Instituto Brasiliense de Direito Público e na Universidade Nove de Julho, e autor de vários livros, tanto na área jurídica quanto em outros campos literários. É integrante da Academia Maranhense de Letras.

Desembargador Paulo Sérgio Domingues

Nascido em São Paulo, Paulo Sérgio Domingues é graduado em direito pela Universidade de São Paulo e mestre pela Johann Wolfgang Goethe Universität, na Alemanha. É juiz federal desde 1995 e se tornou desembargador do TRF3 em 2014.

No TRF3, é coordenador do Programa de Conciliação, coordenador do Comitê Gestor de Proteção de Dados Pessoais da Justiça Federal da 3ª Região e presidente da Comissão Permanente de Informática. Também atua como membro do grupo de trabalho que analisa propostas sobre o procedimento para as ações judiciais de benefícios previdenciários por incapacidade e do Comitê Gestor do Processo Judicial Eletrônico – ambos do Conselho Nacional de Justiça.

Paulo Sérgio Domingues foi presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) entre 2002 e 2004. É professor de direito processual civil da Faculdade de Direito de Sorocaba e autor de capítulos em livros e de artigos em periódicos especializados.

Desembargador Fernando Quadros

Natural de União da Vitória (PR), Fernando Quadros da Silva é mestre em direito pela Universidade Federal do Paraná e doutor pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Foi advogado e procurador do Ministério Público antes de se tornar juiz federal, em 1993.

Assumiu o cargo de desembargador do TRF4 em 2009, pelo critério de merecimento. Na corte federal, atua como coordenador dos juizados especiais federais e já presidiu o Comitê Regional de Planejamento Estratégico da 4ª Região. Também foi gestor das metas do Conselho Nacional de Justiça.

Possui livros publicados na área de direito regulatório, crimes ambientais e sobre os juizados especiais federais.

Ministros Napoleão Nunes Maia Filho e Nefi Cordeiro se aposentaram em 2020 e 2021

Napoleão Nunes Maia Filho atuou no STJ durante 13 anos. Natural de Limoeiro do Norte (CE), ele se formou em direito pela Universidade Federal do Ceará, instituição onde também obteve o título de mestre.

Foi juiz federal e desembargador do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5) antes de chegar ao STJ, em 2007. Na corte superior, foi membro da Quinta Turma e da Terceira Seção – especializadas em direito penal – e da Primeira Turma e da Primeira Seção – especializadas em direito público, além da Corte Especial.

Também foi membro do Conselho da Justiça Federal (CJF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Integrante da Academia Cearense de Letras, é autor de diversos livros, tanto na área jurídica quanto em outros campos literários. Aposentou-se no STJ em dezembro de 2020.

Leia também: Napoleão Nunes Maia Filho: juiz-poeta encerra carreira no STJ com amplo legado na área social

O ministro Nefi Cordeiro atuou no STJ entre 2014 e 2021. Natural de Curitiba, é mestre em direito público e doutor em direito nas relações sociais pela Universidade Federal do Paraná. Antes de chegar ao STJ, ele ocupou os cargos de promotor de Justiça, juiz federal e desembargador do TRF4.

Na corte superior, Nefi Cordeiro integrou a Sexta Turma e a Terceira Seção, ambas especializadas em direito penal, até se aposentar, em março de 2021. Ele também exerce a docência, atuando como professor na Universidade Católica de Brasília, no Centro Universitário Iesb e no Instituto de Direito Público. É autor de várias publicações na área jurídica, sobretudo na esfera criminal.

Leia também: Após mais de 30 anos de atividade jurídica, ministro Nefi Cordeiro se aposenta no STJ


Fonte: STJ

STJ - Superior Tribunal de Justiça

STJ - Superior Tribunal de Justiça

Criado pela Constituição Federal de 1988, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) é a corte responsável por uniformizar a interpretação da lei federal em todo o Brasil, seguindo os princípios constitucionais e a garantia e defesa do Estado de Direito.

Conheça as teses que estão em alta no momento e veja como trabalhar com elas

Tese da Nova Correção do FGTS

Supremo Tribunal Federal (STF) considerou a Taxa Referencial (TR), responsável pela correção monetária de precatórios e do FGTS entre os anos de 1999 e 2013, como inconstitucional.

Tese da Cobrança de Saldo do PASEP dos Servidores Públicos

Todos os Servidores Públicos (Federal, Estadual e Municipal) têm direito ao saque integral do PASEP. Para obter o saldo do PASEP é preciso ingressar com Ação de Cobrança.

Tese da Revisão da Vida Toda PBC

O segurado que possui inscrição no INSS em data anterior a 29/11/1999, tendo contribuições antes deste período, somado ao fato de que requereu o benefício após 29/11/1999, tem direito à revisão da vida toda.

Tese da Restituição da Multa de 10% do FGTS

O STF declarou constitucional a cobrança adicional de 10% sobre a multa do FGTS nos casos de demissão sem justa causa e negou pedido de uma empresa para restituição de valores pagos ao governo.

Tese da Restituição do ICMS Cobrado Indevidamente na Conta de Luz

Diversos tribunais Brasileiros reconhecem a ilegalidade da cobrança do ICMS na conta de Energia elétrica, milhões de pessoas em todo o país tem direito a restituição, veja como buscas a restituição para seus clientes.

Tese da Exclusão do ICMS da Base de Cálculo do PIS/COFINS

O STF decidiu que o ICMS não compõe a base de cálculo para a incidência do PIS e da Cofins. Entretanto, a Receita Federal continua exigindo das empresas o recolhimento do ICMS, sendo necessário entrar a Justiça para reaver valores pagos e impedir cobranças futuras.

Tese da Exclusão do ISSQN da Base de Cálculo do PIS/COFINS

A tese refere-se à base de cálculo do PIS/COFINS, que não deve ter em sua base de cálculo valores arrecadados a título de ISS, pois estes não se incorporam ao patrimônio do contribuinte.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

janela