Ajudante de pedreiro de Pernambuco não consegue adicional por contato com cimento


Para o operário da construção civil ter direito a adicional de insalubridade não é suficiente apenas a exposição e o manuseio eventual de cimento ou agente químico similar. O entendimento da Terceira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (PE) foi firmado a partir de julgamento de recurso ordinário proposto pela Construtora Celi Ltda. Na ação, a empresa questionava sentença da 5ª VT de Jaboatão dos Guararapes, que julgou parcialmente procedentes os pedidos formulados por um servente de pedreiro.

Na petição inicial, o profissional afirmou que exerceu a função de servente de pedreiro e que teve habitual contato com cimento e concreto, sem a utilização dos equipamentos de proteção individual (EPIs), que são necessários para neutralizar a insalubridade presente no ambiente de trabalho. Pedia o pagamento de adicional de insalubridade em grau médio.

Contato

A construtora, por sua vez, rebateu os argumentos asseverando que o contato do trabalhador com cimento era eventual, restringindo-se ao manuseio e posterior transporte em carrinho até o mestre da obra. Citando norma regulamentar do Ministério do Trabalho, defendeu que o ambiente do trabalho não poderia ser caracterizado como insalubre.

Por tratar-se de controvérsia técnica, o juízo determinou a realização de perícia. Na conclusão do laudo, a engenheira de segurança do trabalho opinou que as atividades do autor eram realizadas em condição insalubre de grau médio, decorrente da exposição aos agentes químicos da família dos álcalis cáusticos. A construtora, por sua vez, impugnou a perícia, insistindo que o anexo 13 da Norma Regulamentar do Ministério do Trabalho considera insalubre apenas a fabricação e o transporte de cimento em fase de grande exposição. Na sentença, o laudo pericial foi acolhido, sendo a empresa condenada ao pagamento da insalubridade.

Perícia

A relatora do recurso ordinário, desembargadora Virgínia Malta Canavarro, destacou que o magistrado, ao prolatar sentença, não está vinculado às conclusões expostas em laudo técnico produzido por perito. Citando o art. 479 do CPC, reforçou que outros meios de prova disponíveis podem formar o convencimento do juiz. No caso em questão, ressaltou que, embora tenha restado comprovado que o operário manuseava a massa de cimento (álcalis cáusticos), fazendo o transporte até o pedreiro e que também descarregava caminhões para a obra, a mera manipulação da referida substância não é suficiente para o deferimento do adicional de insalubridade. Nestes moldes, concluiu a relatora que “o adicional perseguido é verba indevida, porquanto a atividade descrita não está classificada como insalubre na relação oficial elaborada pelo Ministério do Trabalho e Emprego, conforme determina o art. 190 da CLT e a Súmula 448 do TST”.

Por decisão unânime da Terceira Turma, o apelo da Construtora Celi Ltda foi admitido, excluindo-se da condenação o adicional de insalubridade e seus reflexos. Os honorários periciais, por sua vez, tornaram-se encargo do empregado, agora sucumbente. Contudo, por ser beneficiário da justiça gratuita, tal responsabilidade passou a ser da União, no valor máximo de R$ 1 mil, seguindo a RA nº 15/2017 do TRT-PE e a Resolução nº 35/207 do CSJT.

Fonte: TRT da 6ª Região (PE)



Fonte: CSJT

O Supremo Tribunal Federal (STF) considerou a Taxa Referencial (TR), responsável pela correção monetária de precatórios e do FGTS entre os anos de 1999 e 2013, como inconstitucional.

Todos os Servidores Públicos (Federal, Estadual e Municipal) têm direito ao saque integral do PASEP. Para obter o saldo do PASEP é preciso ingressar com Ação de Cobrança.

O segurado que possui inscrição no INSS em data anterior a 29/11/1999, tendo contribuições antes deste período, somado ao fato de que requereu o benefício após 29/11/1999, tem direito à revisão da vida toda.

O STF declarou constitucional a cobrança adicional de 10% sobre a multa do FGTS nos casos de demissão sem justa causa e negou pedido de uma empresa para restituição de valores pagos ao governo.

Diversos tribunais Brasileiros reconhecem a ilegalidade da cobrança do ICMS na conta de Energia elétrica, milhões de pessoas em todo o país tem direito a restituição, veja como buscas a restituição para seus clientes.

O STF decidiu que o ICMS não compõe a base de cálculo para a incidência do PIS e da Cofins. Entretanto, a Receita Federal continua exigindo das empresas o recolhimento do ICMS, sendo necessário entrar a Justiça para reaver valores pagos e impedir cobranças futuras.

  • 6
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    6
    Shares

Jusdecisum

Data Venia Dr's e Dra's !O Jusdecisum é um site de informativo jurídico que tem como objetivo reunir as decisões jurídicas dos principais tribunais do país em um só lugar, facilitando assim a informação e o estudo de profissionais e estudantes da área jurídica.Abaixo, estão nossas redes sociais e contatos, nos siga, mantenha-se atualizado sobre as decisões jurídicas dos principais tribunais, venha fazer parte desta grande comunidade jurídica que estamos criando !Sejam sempre muito bem vindos !

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

      Deixe uma Comentário

      Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

      janela v3.3
      Jusdecisum Informativo Jurídico
      Logo